Guedes explica frase sobre comida: “Me referi à ‘sobra limpa’, não aos restos”

Paulo Guedes, ministro da Economia, insiste na distribuição de sobras de comida aos pobres como quesito de segurança alimentarSérgio Lima/Poder360 10.06.2021

Ministro responde aos críticos de sua ideia e diz que é preciso saída para este momento triste da história

O ministro Paulo Guedes (Economia), informou na noite da 6ª feira (18.jun.2021) em post na conta de Twitter do ministério não ter se referido aos “restos de comida” quando disse que essas sobras de restaurantes deveriam ser repartidas entre os mendigos.

A declaração havia sido feita durante live da Abras (Associação Brasileira de Supermercados), na 5ª feira (17.jun). No seu tuíte, Guedes tentou consertar o que considerou um mal-entendido e disse que “lamentou profundamente” por sua frase.

Ele elaborou mais sobre sua ideia.

“Eu me referi à ‘sobra limpa’ que significa, justamente, não os restos no prato, mas panelas de alimentos preparados e não consumidos de arroz, feijão, frango, por exemplo, que em condições de higiene, temperatura e condicionamento, possam manter a qualidade do alimento”.

“Por que não utilizarmos disso para pessoas que precisam e queiram? Por que não pensarmos em polos que mantenham a qualidade da comida para consumo imediato?”

Na 5ª feira, o ministro havia dado a seguinte declaração: “Você vê um prato de um [cidadão de] classe média europeu, que já enfrentou duas guerras mundiais, são pratos relativamente pequenos. E os nossos, aqui, fazemos almoços onde às vezes há uma sobra enorme. E isso vai até o final, que é a refeição da classe média alta. Até lá, há excessos”.

Naquele momento, Guedes ainda sugeriu a adoção de incentivos para evitar sobras. Ou seja, “transformar” o que seria lançado ao lixo e direcionar aos programas destinados aos “fragilizados, mendigos, desamparados”.

Sua afirmação provocou repercussão negativa entre políticos de oposição, especialmente, e nas redes sociais. O PT reagiu dizendo que o ministro “serve aos banqueiros” e criticou também a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que no mesmo evento havia proposto a extensão da validade dos produtos alimentícios.

Na 6ª feira, porém, o ministro também contra-atacou no Twitter. Disse que “muito do que foi veiculado a respeito revelou desconhecimento técnico sobre conceitos de segurança alimentar“. Avisou ainda que os políticos que o criticaram “deveriam discutir de forma propositiva saídas para este momento triste da história mundial”.

“Num momento em que o mundo passa por obstáculo sanitário, seria a hora das pessoas se unirem para encontrar soluções sustentáveis, produtivas e humanas“

Esta não foi a primeira declaração polêmica do ministro da Economia desde o início do atual governo. Em fevereiro de 2020, afirmou ser a taxa de câmbio elevada “boa para todo mundo”.

“Não tem negócio de câmbio a R$ 1,80. Vamos exportar menos, substituição de importações, turismo, todo mundo indo para a Disneylândia, empregada doméstica indo para Disneylândia, uma festa danada. Pera aí. Pera aí, pera aí. Vai passear ali em Foz do Iguaçu, vai passear ali no Nordeste, está cheio de praia bonita. Vai para Cachoeiro do Itapemirim, vai conhecer onde o Roberto Carlos nasceu, vai passear o Brasil, vai conhecer o Brasil. Entendeu? Está cheio de coisa bonita para ver“, disse.

Fonte: Poder 360

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.

buttons=(Accept !) days=(20)

Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Saber mais
Accept !