Right

items



Kirim

É verdade que os anéis do chocalho da cascavel revelam quantos anos têm a serpente? Descubra.

Anéis do chocalho da cascavel são formados pelas trocas de pele da cobra — Foto: Willianilson Pessoa

Estrutura de queratina representa troca de pele; barulho também varia com a quantidade de anéis.

Entre tantas informações e histórias que permeiam a natureza do nosso planeta, uma é bem conhecida: a que a quantidade de anéis do chocalho da cascavel representa a idade do animal. Mas será que isso é verdade?

“Não necessariamente. Os anéis do chocalho da cascavel representam a quantidade de trocas de pele que ela realizou, mas não se sabe com que frequência um indivíduo troca de pele na natureza, pois esse processo depende de uma série de fatores, dentre eles: temperatura do ambiente, idade do animal, disponibilidade de recursos (água e alimento), saúde ”, explica a bióloga Daniela Sifuentes.

Ainda segundo ela, outra grande questão é que a serpente pode perder o chocalho no decorrer da vida, já que é uma estrutura frágil suscetível a quebrar, então é muito difícil de saber quantas trocas de pele aquele indivíduo realizou.

Anéis do chocalho da cascavel são de queratina — Foto: Pixabay

Os anéis ocos do chocalho da cascavel são constituídos de queratina, e a cada troca de pele que ela realiza, um anel é adicionado.

O biólogo especialista em répteis e anfíbios, Willianilson Pessoa, esclarece que em alguns locais a quantidade de anéis pode coincidir com a idade, mas não é regra. “Dizer com certeza que representa a idade é mito, mas na América do Norte e em outros países que possuem o clima muito mais definido, com as estações do anos características, as serpentes apresentam um padrão regular de crescimento e aí pode ser que algumas troquem de pele uma vez por ano, o que estaria muito mais próximo da idade. Só que mesmo assim não é certeza e o chocalho pode quebrar também”.

Entre as mais de 30 espécies de cascavéis que ocorrem nas Américas, apenas uma está presente no Brasil: Crotalus durissus. A cobra pode ser encontrada por todo País, com populações que, por possuírem variações morfológicas e genéticas, são divididas em subespécies.

Cascavel com o chocalho quebrado — Foto: Willianilson Pessoa

O herpetólogo ressalta ainda que no Brasil, por exemplo, as cascavéis da Caatinga trocam menos de pele, portanto, possuem anéis geralmente menores que as da Mata Atlântica, do Cerrado e do Pantanal. “Isso porque as da Caatinga passam por períodos de seca quando ficam escondidas, sem caçar, sem comer e sem crescer direito, enquanto as dos outros biomas estão com as atividades normais”.

Ou seja, a quantidade de anéis no chocalho de uma cascavel normalmente não representa a idade dela. No entanto, a estrutura interfere diretamente no som que ela produz. “Muita gente pergunta se existe alguma coisa dentro que faça com que esse som seja produzido, assim como os chocalhos de crianças. Na verdade, são as placas de queratina que se sobrepõem umas às outras, e acabam reproduzindo o barulho”, diz Daniela.

https://f5cariri.tumblr.com/post/686700960442105856/%C3%A9-o-somat%C3%B3rio-do-barulho-de-cada-anel-tocando-um

E por que as cascavéis fazem esse barulho? O comportamento nada mais é do que um aviso da serpente quando se sente ameaçada. O chocalho é usado para mostrar para os predadores que a cobra está por perto.

“Isso acaba evitando acidentes indesejados no habitat natural e também com seres humanos. Aproximadamente 300 pessoas chegam a óbito todos os anos no Brasil por estarem envolvidas em acidentes com serpentes peçonhentas, sendo que apenas cerca de 7% desses acidentes envolvem cascavéis. Acredita-se que além do comportamento mais calmo que ela apresenta, o barulho do chocalho também ajuda a reduzir esses números. Vale ressaltar que nenhuma serpente ataca um ser humano com intuito de matar aquela pessoa. Esses animais nos reconhecem como um possível predador e usam estratégias para se defender”, finaliza Daniela.

Chocalho da cascavel é usado para afastar predadores — Foto: Willianilson Pessoa

Por Nicolle Januzzi, Terra da Gente

0/Post a Comment/Comments

Nos Stories

Cabeçalho dentro post 01

Cabeçalho dentro post 02