Right

items



Kirim

Entenda como condenado por mais de 100 estupros fugiu da prisão

Wanderson Alves Carvalho, conhecido como 'dentinho' — Foto: Divulgação/DGAP

Preso fazia limpeza quando pulou alambrado de área externa e recebeu ajuda de companheira para se mudar para o Pará. Retornando a presídio, ele não deve ter benefício de trabalhar.

Encerrando as investigações sobre a fuga de Wanderson Alves Carvalho, que foi recapturado em Belém, a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) de Goiás divulgou que o detento pulou um alambrado da área externa que estava limpando. Segundo o órgão, a investigação interna será concluída e, voltando a um presídio goiano, ele não terá mais o benefício de trabalhar.

"Ele estava preso desde 2004 e sempre apresentou bom comportamento. Mesmo com alto nível de pena, ele foi autorizado a participar de ressocialização. No entanto, ao retornar, ele vai ter essa classificação por dois anos, de falta disciplinar, e isso vai prejudicar a progressão de pena dele", explicou o diretor-geral de Administração Penitenciária de Goiás, Josimar Pires.

Quando fugiu do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, em 17 de dezembro de 2021, Wanderson já havia cumprido 17 anos da sua pena de 196.

Segundo a DGAP, o preso havia sido escoltado, com outros detentos, pela Guarda Civil Metropolitana para limpar a base do Grupo de Guaritas e Muralhas (GGM), que fica na área externa do Complexo.

"Ele pulou o almbrado da área que estava, fora da unidade prisional, uma área de manutenção. A companheiro o ajudou no transpoirte e logística da fuga", contou o diretor.

Complexo Penitenciário de Aparecida de Goiânia — Foto: Bruno Mendes/TV Anhanguera

As investigações não apontaram se "Dentinho", como era conhecido, estava trabalhando ou apenas escondido no imóvel em que estava morando com a companheira que o ajudou a fugir. Segundo a DGAP, as equipes policiais cercaram a região e, ao notar que seria preso, o condenado entrou em contato com o advogado e negociou a rendição.

Ainda segundo Josimar, o preso estava novamente acompanhado da mulher quando se entregou e ela foi ouvida pela Polícia Civil do Pará que deve determinar se ela deve ou não responder por tê-lo ajudado na fuga.

"Dentinho" foi condenado a 196 anos de prisão e ainda tem processos correndo na Justiça, segundo a DGAP. O preso é apontado como autor de mais de 100 estupros em Goiás.

Por Vanessa Martins, g1 Goiás

0/Post a Comment/Comments

Nos Stories

Cabeçalho dentro post 01

Cabeçalho dentro post 02