Para Camilo Santana, Bolsonaro "desrespeita" relação entre o governo federal e os estados

0
Legenda: Camilo Santana vai deixar o cargo de governador no sábado (2). Ele pretende ser candidato ao Senado Federal

Governador do Ceará relatou casos de dificuldade que teve como no motim dos policiais e na obra do Teleférico do Horto, em Juazeiro do Norte.

O governador Camilo Santana (PT), que está deixando o cargo no próximo sábado (2), disse, em entrevista que o presidente Jair Bolsonaro (PL) “desrespeita” a relação institucional entre o governo federal e os estados. Segundo o governador, principalmente os estados de oposição, como é o caso do Ceará, tiveram dificuldade de liberação de recursos e de articular decisões estratégicas.

Camilo concedeu entrevista na manhã desta quarta-feira (30) ao telejornal Bom Dia Ceará, da TV Verdes Mares, e ao Bom Dia Nordeste, da Rádio Verdes Mares e TV Diário. Ele fez um balanço das ações após sete anos à frente do Executivo e destacou projetos importantes e momentos de dificuldade.

“Nós vivemos numa federação. Existe uma relação federativa entre o governo (federal) e os estados. Essa relação foi desrespeitada neste governo (Bolsonaro). Não há a menor relação federativa entre União e estados. Temos sofrido com o repasse de recursos financeiros, da forma que é tratado”.

CAMILO SANTANA

Governador do Estado

Após ser questionado por este colunista, o gestor citou dois casos em que disse ter tido dificuldade de articulação com o governo Bolsonaro. Uma delas foi na época do motim de policiais militares ocorrido no início de 2020.

“Você não sabe a dificuldade que tive na época do motim para conseguir uma GLO (Garantia da Lei e da Ordem), para trazer o Exército para proteger a população cearense. O pedido era minha responsabilidade. A obrigação era do presidente”, reclamou.

TELEFÉRICO DO HORTO

O outro episódio, mais recente, segundo ele, envolveu o teleférico do horto, em Juazeiro do Norte, inaugurado nesta semana. De acordo com o gestor, os recursos federais conseguidos no governo Temer para o projeto não puderam ser usados e o Estado, depois de o contrato assinado para a obra, teve de bancar com recursos próprios.

“Estou acionando na Justiça para que eu fique com recursos que estão depositados aqui na Conta do Ceará, mas não me permitem usar um centavo durante a obra”.

RELAÇÃO CONTURBADA

Camilo Santana e Jair Bolsonaro tiveram uma relação difícil desde que o presidente assumiu o Palácio do Planalto. Desde então, Bolsonaro veio ao Ceará em seis oportunidades, mas não esteve com o gestor estadual em nenhuma delas.

Em fevereiro de 2021, por exemplo, Bolsonaro veio ao Ceará em meio ao pior momento da crise da Covid-19, com o estado com decreto de isolamento social em vigor e fez críticas à política dos estados em relação a pandemia. Camilo rebateu na entrevista.

“Em nenhum momento, o presidente chamou os 27 governadores para tratar da pandemia. Ao contrário, várias vezes ele veio aqui em momentos de crise para criticar e estimular que não usasse máscaras, fazendo aglomeração. Isso está errado. Nós mudamos quatro vezes o ministro da Saúde no meio da pandemia. A história ainda irá escrever esse capítulo que vivemos”, disparou. 

Escrito por Inácio Aguiar/Diário do Nordeste

Postar um comentário

0Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.

Please Select Embedded Mode To show the Comment System.*

#buttons=(Aceitar !) #days=(20)

Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Saber mais
Accept !