MDB foca na defesa de palanque para Lula no Ceará para tentar aliança com PT em 2022

0
Legenda: Alinhamento de Eunício com o PT no Ceará é com Lula, e não com o partido, diz o ex-senador - Foto: Senado Federal

O ex-senador Eunício Oliveira tenta compor com a base petista em meio a indefinição de acordo com o PDT

Em meio a indefinição sobre aliança entre PT e PDT no Ceará em 2022, o MDB do ex-senador Eunício Oliveira corre por fora e, assim como o partido de Ciro e Cid Gomes, também quer ter candidato próprio para concorrer ao Governo do Estado.

O ex-senador articula o cenário nos bastidores, tentando ganhar espaço com a defesa do palanque para o ex-presidente Lula no Estado e contando com a candidatura de Camilo Santana (PT) para o Senado. 

"Se tiver uma composição com o PT, o MDB terá candidato próprio. Em não havendo, o MDB vai avaliar o que for melhor do ponto de vista do partido, do ponto de vista geral e sabendo todos que o meu posicionamento partidário no Estado é o alinhamento com o presidente Lula, não é com o PT", disse Eunício Oliveira, em entrevista ao Diário do Nordeste.

Mesmo já tendo indicado seu nome como pré-candidato a deputado federal, Eunício não descarta se colocar como candidato ao Governo.

Esse movimento ocorre ao passo que o PT no Ceará está dividido internamente. Enquanto uma ala defende que o partido apoie um candidato do PDT para disputar o Governo do Estado, outra defende que, pelo tamanho e histórico do partido, é necessário ter candidatura própria, dando continuidade ao "legado" de Camilo no Abolição.

O grupo de oposição ao PDT é liderado pelos deputados federais do PT Luizianne Lins e Zé Airton Cirilo, mais próximos de Eunício Oliveira. Ainda quem defenda que o melhor cenário é compor a candidatura de vice, em uma cabeça de chapa puxada pelo PDT, como aponta o deputado José Guimarães. 

ALIANÇA DEFENDIDA

A hipótese, inclusive, é defendida também por Ciro e por Camilo que, em declarações recentes, elogiaram a parceria entre as siglas e expuseram a intenção de dar continuidade em 2022 a ela. Nesse cenário, entram no xadrez os expoentes do PDT cotados como pré-candidatos, com apoio de parte dos petistas. 

Figuram, portanto, o ex-prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio, o presidente da Assembleia Legislativa do Ceará Evandro Leitão, o deputado federal Mauro Filho e a vice-governadora, Izolda Cela. 

Para contrapor o cenário que se forma no lado do PDT, o deputado Zé Airton, recentemente, chegou a lançar a própria pré-candidatura, argumentando que o PT necessita de um membro na cabeça de chapa da sucessão. "O PDT pode estar na chapa na condição de vice", chegou a dizer. 

Eunício Oliveira, por sua vez, argumenta que o MDB é um partido de tradição, e que tem "quadros, prefeitos, vereadores e deputados", além do "fundo eleitoral". 

"O MDB tem quadros, tem prefeitos, tem parlamentares, tem vereadores e está entre as maiores forças políticas do Estado do Ceará e talvez a maior força independente do Estado; tem fundo eleitoral mais do que suficiente para formalizar uma campanha e o partido ainda não definiu qual o seu rumo", pontua o ex-senador.

Escrito por Felipe Azevedo/Diário do Nordeste


 

Postar um comentário

0 Comentários
* Não faça spam aqui. Todos os comentários são revisados pelo administrador.

Selecione o modo incorporado para mostrar o sistema de comentários!*

image host

buttons=(Aceitar !) days=(20)

Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Saber mais
Accept !
To Top