Foco de peste suína clássica foi controlado no litoral Oeste do Ceará e criadores serão indenizados

Legenda: A PSC foi detectada em uma propriedade de criação familiar. O abate dos animais é necessário para conter o foco da doença - Foto: Marcelino Júnior

Após adoção das medidas para debelar o foco da doença, há um período de observação e monitoramento de outras unidades criadoras no entorno da área do foco inicial

O foco de Peste Suína Clássica (PSC) ocorrido no município de Marco, no Litoral Oeste do Estado, foi contido. A informação é da Agência de Defesa Agropecuária do Ceará (Adagri). Um total de 120 animais de 18 criadores foi sacrificado. “Os criadores que tiveram seus animais sacrificados serão indenizados”, pontuou a presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Estado (Adagri), Vilma Freire.

O valor da indenização, entretanto, não foi informado pelo órgão. Após adoção das medidas para debelar o foco da doença, há um período de observação e monitoramento de outras unidades criadoras no entorno da área do foco inicial.

O diagnóstico de Peste Suína Clássica foi confirmado por exames realizados no laboratório do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Para o gerente de Gestão do Meio Agropecuário da Adagri, Jarier Oliveira, “no momento é feita a segunda etapa do plano de contingência através da vigilância sanitária em um raio de três quilômetros do foco inicial”.

A ação sanitária de contenção do foco da doença foi feita por uma equipe de 10 agentes e fiscais estaduais agropecuários da Adagri.

A supervisora da Adagri na Região Norte, Iracelma Arruda, reafirmou o trabalho de acompanhamento dos criadores, após contenção do foco.

IDENTIFICAÇÃO

A PSC foi confirmada depois de um trabalho de vigilância epidemiológica de rotina, realizada pelos fiscais médicos-veterinários da Adagri, em uma propriedade do município.

As propriedades suspeitas foram interditadas e foi montada uma força-tarefa nos criadouros circunvizinhos ao foco e nos possíveis vínculos”

Iracelma Arruda

Supervisora da da Adagri na Região Norte

O diretor de Inspeção e Fiscalização da Adagri, Amorim Sobreira, observou que “a peste suína clássica não traz riscos à saúde humana e nem as demais espécies de animais domésticos”.

DOENÇA

A Peste Suína Clássica é considerada altamente contagiosa e fatal para os suínos. Pode ser aguda, crônica e inaparente. Há infecção congênita persistente nos suínos recém-nascidos contaminados durante a vida fetal.

Os sintomas mais comuns são hemorragia, que pode levar à morte; febre alta; falta de coordenação motora; orelhas e articulações azuladas; vômitos; diarreia; falta de apetite; esterilidade e abortos; leitões natimortos ou com crescimento retardado.

Outra característica observada é o agrupamento de animais nos cantos das pocilgas e a morte após quatro a sete dias do início dos sintomas.

A transmissão ocorre por alimentos ou água contaminados,; animais infectados; veículos, equipamentos e instalações; contato com cadáveres de animais infectados; roupas e calçados de indivíduos que mantiveram contato direto com animais doentes ou em período de incubação da doença (4 a 6 dias com um intervalo de oscilação de 2 a 20 dias)

A prevenção é feita a partir da separação das instalações nas diferentes fases de criação; cercas adequadas que evitem a entrada de animais; limpeza e desinfecção dos criadouros e dos veículos que transportam animais; conhecimento da origem de animais adquiridos e quarentena dos bichos; limpeza e desinfecção das mãos e botas dos trabalhadores.

INFORMAÇÃO

A Adagri lembra que casos suspeitos da PSC devem ser imediatamente comunicados através do telefone: 0800-280-0410 ou informados pessoalmente na sede da Adagri ou em um dos 40 escritórios da agência, distribuídos por todo o Ceará.

Escrito por Honório Barbosa/Diário do Nordeste

Tags

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.

buttons=(Accept !) days=(20)

Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Saber mais
Accept !