Genro envolvido em tentativa de homicídio de sogro que tinha relação incestuosa com filha é solto pela Justiça do Ceará

Herilson contou a Maria Aparecida que havia feito sexo com o marido dela e a enteada; depois disso, passou contato de matadores para a mulher assassinar os dois. — Foto: TV Verdes Mares/Reprodução

A decisão pela liberdade provisória foi assinada pelo juiz Wallton Pereira de Souza Paiva da Comarca de Canindé.

A Vara Única da Comarca de Canindé concedeu, nesta segunda-feira (25), liberdade provisória ao genro de Jaelson Camelo de Oliveira, de 39 anos. Antônio Herilson da Silva Lopes, 26, foi preso por ter ajudado a esposa de Jaelson, Maria Aparecida Barroso, a mandar matar o próprio marido. O suspeito havia informado à mulher que participou de uma relação na qual o sogro e a namorada (pai e filha) praticavam incesto.

A decisão foi assinada pelo juiz substituto Wallton Pereira de Souza Paiva, que mandou expedir o alvará de soltura do suspeito. Desta forma, o magistrado determinou a aplicação de medidas cautelares, mas não impôs o uso de tornozeleira eletrônica.

O juiz exigiu que Herilson compareça mensalmente em juízo, proibiu que ele se ausente do município por mais de oito dias ou mude de endereço e determinou que ele compareça a todos os atos do processo criminal.

A esposa de Jaelson, Maria Aparecida Barroso, foi solta pelo mesmo magistrado em 11 de outubro. Além das determinações que foram imputadas a Herilson, ela também deve se manter em casa entre 19h e 6h.

Investigação contra Jaelson

A Polícia Civil do Ceará investiga ainda se Jaelson Camelo de Oliveira, 39 anos, vítima de tentativa de homicídio encomendada pela própria mulher após ela descobrir uma relação incestuosa a três entre ele, a filha dele e o genro, teria cometido os crimes de estupro e violência doméstica. Os inquéritos estão em andamento e foram abertos pelo delegado regional de Canindé, Daniel Aragão.

O inquérito sobre a tentativa de homicídio foi concluído e a mulher, Maria Aparecida Barroso, o genro, Antônio Herilson e dois suspeitos de terem sido contratados para executar o homem foram indiciados. Um deles foi identificado como Israel de Sousa Silva, 20. O outro é um adolescente de 17 anos. Os adultos poderão responder na Justiça por tentativa de homicídio, e o adolescente, por ato infracional análogo ao crime de tentativa de homicídio.

Um inquérito apura se Jaelson Oliveira cometeu o crime de estupro contra a própria filha e se há possíveis delitos da mesma natureza contra outros adolescentes.

Entenda o caso

Segundo as investigações da Polícia Civil, Aparecida Barroso era casada com Jaelson Oliveira. Jaelson, por sua vez, teria mantido uma relação sexual com a própria filha, de 20 anos, e o genro dele, Antônio Herilson. O genro contou sobre o sexo a três a Maria Aparecida.

Ao descobrir o relacionamento, a mulher pagou R$ 3 mil a duas pessoas para que elas matassem o pai. A filha que estava perto do homem, durante o crime, acabou sendo atingida e perdeu a visão de um olho. A garota, de 20 anos, é enteada de Maria Aparecida.

A jovem disse em depoimento que a relação com o pai era consensual, ainda assim, a polícia investiga se houve estupro e se os dois mantiveram relações sexuais ainda quando a filha era adolescente.

Segundo a Polícia Civil, poucas horas após crime, a Polícia Militar capturou os dois suspeitos de terem sido contratados para matar os executores. Durante a investigação, os policiais militares apreenderam um revólver, que teria sido utilizado no crime.

Os dois homens contratados para matar Jaelson foram presos no mesmo dia do crime, em 29 de junho deste ano. Aparecida e Herilson estavam presos desde 27 de setembro, após três meses de investigações.

Jaelson continua precisando de cuidados médicos e está internado no Instituto Dr. José Frota (IJF), em Fortaleza.

Por g1 CE

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.

buttons=(Accept !) days=(20)

Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Saber mais
Accept !