Quem será prejudicado com atraso no pagamento do abono PIS/Pasep de até R$ 1.100?

Foto: Divulgação

Adiamento de pagamento do abono salarial de até R$ 1.100 prejudicará milhões de trabalhadores brasileiros.

Após o governo federal adiar o pagamento do PIS/Pasep para 2022, aproximadamente 10,8 milhões de brasileiros serão prejudicados. O valor a ser pago somente no ano que vem deverá variar entre R$ 92 a R$ 1,1 mil, de acordo com o período trabalhado em 2o20.

Em um acordo entre empresas, trabalhadores e governo, o Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) resolveu adiar o benefício. Com a iniciativa, os cofres públicos deixam de repassar entre R$ 7,6 bilhões e R$ 8,1 bilhões aos trabalhadores nesse ano.

Segundo um integrante da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Adilson Araújo, o governo pediu o adiamento do PIS/Pasep 2021 e “concordamos em fazer um esforço para escapar de um mal maior”, explicou sobre a decisão.

Quem são os prejudicados?

Fazem parte desse grupo todos os cidadãos que teriam direito ao abono salarial PIS/Pasep, desde que cumpram os seguintes requisitos:

  • Ter trabalhado com carteira assinada por no mínimo 30 dias em 2020;
  • Possuir ganho mensal de no máximo dois salários mínimos por mês, durante o calendário-base;
  • Estar inscrito no PIS há pelo menos cinco anos;
  • Ter a empresa informado os dados do empregado corretamente ao governo brasileiro.

Adaptação do programa social por redução de salário

Sendo o Codefat um órgão constituído por representantes do governo, empresas e trabalhadores, a União defendeu na instituição o adiamento do abono salarial. Assim, colocou a medida como condição para recriação de outro programa social, o Benefício Emergencial (BEm).

O BEm foi implantado pelo governo federal em 2020, como uma das medidas emergenciais para o enfrentamento da pandemia de Covid-19. Os seus recursos contemplavam os trabalhadores que ficaram com o salário ou tempo de jornada reduzidos.

Disponibilidade de R$ 7,6 bilhões

Por meio do agravamento da pandemia, avançou a pressão para que o governo recrie o BEm, sendo necessário organizar o dinheiro para que isso seja feito. Somente esse benefício custou R$ 33,5 bilhões para os cofres da União no ano passado.

O Orçamento de 2021, que ainda não foi votado, tem uma previsão de gastos de aproximadamente R$ 18,1 bilhões com o abono salarial. Porém, R$ 10,5 bilhões já foram empregues para pagar o restante do calendário anterior do abono, de acordo com o ano-base 2019. Dessa forma, o adiamento do abono libera R$ 7,6 bilhões de gastos do governo em 2021.

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.

buttons=(Accept !) days=(20)

Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Saber mais
Accept !