Com salários atrasados, médicos paralisam atividades em Juazeiro do Norte

Médicos paralisam atividades na maior cidade do interior cearense em maio à pandemia de Covid-19 (Foto: Anderson Duarte)

Profissionais alegam que estão há três meses se receber seus pagamentos

Os médicos que prestam serviço no Hospital e Maternidade São Lucas, em Juazeiro do Norte, paralisaram as atividades parcialmente nesta quarta-feira, 7, alegando atraso salarial de três meses. A categoria afirma, por meio de nota, que não recebe remuneração desde janeiro e destaca que a empresa terceirizada responsável pela administração do Hospital até fevereiro deste ano, a Aceni, ainda não deu previsão de quando os pagamentos serão efetuados. “Os profissionais estão deixando suas casas há 3 meses sem ter qualquer garantia ou perspectiva de recebimento”, diz o texto.

Com a suspensão parcial dos atendimentos, apenas os casos classificados como urgência e emergência estão recebendo assistência médica na unidade. Na nota, os profissionais reiteram que o serviço somente será normalizado quando os salários referentes a janeiro e fevereiro forem depositados em suas contas bancárias.

A advogada que representa o grupo, Lívia Siebra, afirma que a Secretaria de Saúde do Município já havia sido alertada sobre a possibilidade de interrupção dos atendimentos por conta dos atrasos salariais. “A notificação sobre a paralisação do serviço foi entregue à secretaria e consignada em audiência extrajudicial com a presença do Ministério Público”, pondera.

Ainda conforme a advogada, os médicos da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Bairro Limoeiro também devem aderir à paralisação a partir desta quinta-feira, 8.

Tanto o Hospital São Lucas como a UPA são administrados atualmente pelo Instituto Diva Alves Brasil (IDAB), que assumiu a gestão dos equipamentos no dia 1º de março, após a saída da Aceni, da qual os médicos cobram os salários atrasados. A empresa foi procurada pelo O POVO, mas não enviou esclarecimentos até a conclusão desta matéria.

Já a Secretaria de Saúde de Juazeiro, por meio de nota, diz que “não existe respaldo legal para a paralisação” e culpa a Aceni pelos atrasos salariais. A pasta ainda afirma que irá dialogar com o Ministério Público e representantes da categoria para buscar um entendimento e evitar que a interrupção parcial do serviço prejudique os usuários dos equipamentos de saúde do Município.

image host

Fonte: Jornal O Povo Online

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.

buttons=(Accept !) days=(20)

Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Saber mais
Accept !